Principais componentes da conversa direcionada sobre histórico de peso

1. Variações do peso ao longo do tempo
2. Inluenciadores nas mudanças de peso
3. Descrições dos últimos esforços
    de perda de peso
4. Hábitos atuais

Principais componentes de uma conversa direcionada sobre histórico de peso


Use esses pontos de discussão e perguntas para discutir o histórico de peso do paciente


1. Variações do peso ao longo do tempo

Cada paciente terá ganho de peso de forma diferente. Compreender como e por que seu peso mudou pode fornecer pistas sobre os desencadeadores do ganho de peso.2


Alguns pontos de conversa e perguntas:

  • Quando você acha que começou a ganhar peso?
  • Você acha que seu peso foi um problema no passado? Por quanto tempo?
  • Você sempre esteve acima do peso?


2. Fatores na mudança de peso

Esta conversa envolve entender as percepções das causas pelo seu paciente, bem como conectar quaisquer causas médicas passadas às mudanças no peso.2


Alguns pontos de discussão e perguntas:

  • Por que você acha que o peso é um problema para você?
  • Você se lembra de alguma vez na sua vida quando ganhou muito peso?
  • Qual você acha que foi o motivo que te levou a ganhar peso naquela vez?
  • Como você lida com situações estressantes? Tédio? Tristeza? Cansaço?


3. Descrições de esforços passados para a perda de peso

Discutir e compreender esforços passados do seu paciente com perda de peso, incluindo programas específicos ou planos, duração e resultados.3

Alguns pontos de discussão e perguntas:

  • Conte-me seus esforços em tentar perder peso no passado.
  • Você pode descrever o programa ou tipo de plano que você seguiu? Quanto tempo você ficou envolvido?
  • Quais aspectos daqueles programas ou planos tiveram sucesso com você?
  • O que não funcionou para você? Quais bloqueios você encontrou?
  • O que desencadeou seus esforços passados para a perda de peso?


4. Hábitos atuais

Uma conversa sobre a alimentação atual do seu paciente e sobre os hábitos de atividade e como ele ou ela pode sentir-se quanto à mudança de seus hábitos atuais.4,5


Alguns pontos de discussão e perguntas:

  • Em geral, com que frequência você sente fome em uma escala de 1 a 10, com 1 sendo “nunca tem fome” e 10 sendo que você sempre está pensando em comida?
  • Conte-me sobre seus hábitos alimentares atuais.
  • Que tipo de coisas você tem feito para mudar a sua alimentação?
  • Como seus hábitos atuais se comparam com seus esforços passados com a perda de peso?
  • Conte-me sobre seus hábitos atuais de atividade física.
  • Em uma escala de 1 a 10, quão pronto você está para fazer mudanças em seus padrões de hábitos atuais?

 

Mapeie o histórico de peso do seu paciente
Mapeie o próprio histórico pessoal de peso

MATERIAL DO PACIENTE

Mapeie o histórico pessoal de peso

MATERIAL DO PACIENTE

Mapeie seu próprio histórico pessoal de peso

 

Material do histórico de peso do paciente
 

Pode ser útil para pacientes traçarem seu próprio histórico de mudanças de peso ao longo do tempo. Trabalhando com os pacientes para mapear eventos de estilo de vida para alterações de peso corporal pode promover a conversa centrada no paciente para ajudar a guiar decisões do tratamento.2

Clique na imagem para fazer o download do material para ser usado com os seus pacientes.
Por favor observe: você deve ter o Adobe Acrobat Reader para visualizar este documento.

 
 
© Academy of Nutrition and Dietetics, Counseling Overweight Adults: The Lifestyle Patterns Approach and Toolkit,
© 2009. 2009. Reproduzido com permissão.
Download the Chart Your Personal Weight History handout
Definir metas individuais


Referências:

1. World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation. World Health Organ Tech Rep Ser. 2000;894:1-253. 2. American Medical Association. AMA adopts new policies on second day of voting at annual meeting. http://www.ama-assn.org/ama/pub/news/news/2013/2013-06-18-new-ama-policies-annual-meeting.page. Accessed March 11, 2015. 3. Mechanick JI, Garber AJ, Handelsman Y, Garvey WT. American Association of Clinical Endocrinologists' position statement on obesity and obesity medicine. Endocr Pract. 2012;18(5):642-648. 4. Allison DB, Downey M, Atkinson RL, et al. Obesity as a disease: a white paper on evidence and arguments commissioned by the Council of the Obesity Society. Obesity. 2008;16(6):1161-1177. 5. Jensen MD, Ryan DH, Apovian CM, et al; American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines; Obesity Society. 2013 AHA/ACC/TOS guideline for the management of overweight and obesity in adults: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines and The Obesity Society. J Am Coll Cardiol. 2014;63(25 pt B):2985-3023. 6. Ng M, Fleming T, Robinson M, et al. Global, regional, and national prevalence of overweight and obesity in children and adults during 1980-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013. Lancet. 2014;384(9945):766-781. 7. Guh DP, Zhang W, Bansback N, Amarsi Z, Birmingham CL, Anis AH. The incidence of co-morbidities related to obesity and overweight: a systematic review and meta-analysis. BMC Public Health. 2009;9:88. 8. Must A, Spadano J, Coakley EH, Field AE, Colditz G, Dietz WH. The disease burden associated with overweight and obesity. JAMA. 1999;282(16):1523-1529. 9. Li C, Ford ES, Zhao G, Croft JB, Balluz LS, Mokdad AH. Prevalence of self-reported clinically diagnosed sleep apnea according to obesity status in men and women: National Health and Nutrition Examination Survey, 2005-2006. Prev Med. 2010;51(1):18-23. 10. Bhaskaran K, Douglas I, Forbes H, dos-Santos-Silva I, Leon DA, Smeeth L. Body-mass index and risk of 22 specific cancers: a population-based cohort study of 5.24 million UK adults. Lancet. 2014;384(9945):755-765. 11. Prospective Studies Collaboration, Whitlock G, Lewington S, et al. Body-mass index and cause-specific mortality in 900 000 adults: collaborative analyses of 57 prospective studies. Lancet. 2009;373(9669):1083-1096. 12. Hopman WM, Berger C, Joseph L, et al. The association between body mass index and health-related quality of life: data from CaMos, a stratified population study. Quad Life Res. 2007;16(10):1595-1603. 13. Finkelstein EA, Trogdon JG, Cohen JW, Dietz W. Annual medical spending attributable to obesity: payer- and service-specific estimates. Health Aff (Millwood). 2009;28(5):w822-w831. 14. Obesity Education Initiative; National Heart, Lung, and Blood Institute; National Institutes of Health; US Department of Health and Human Services. Clinical Guidelines on the Identification, Evaluation and Treatment of Overweight and Obesity in Adults: The Evidence Report. Bethesda, MD: National Institutes of Health; 1998. NIH publication 98-4083. 15. IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional de Saúde 2013. http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv94074.pdf. Acessado em Fevereiro/2016. 16. Sydall HE, Martin HJ, Harwood RH, Cooper C, Sayer AA. The SF-36: a simple, effective measure of mobility-disability for epidemiological studies. J Nutr Health Aging. 2009;13(1):57-62. 17. Mann T, Tomiyama AJ, Westling E, Lew AM, Samuels B, Chatman J. Medicare's search for effective obesity treatments: diets are not the answer. Am Psychol. 2007;622(3):220-233. 18. MacLean PS, Wing RR, Davidson T, et al. NIH working group report: innovative research to improve maintenance of weight loss. Obesity (Silver Spring). 2015;23(1):7-15. 19. ABESO. Atualização das Diretrizes para o Tratamento Farmacológico da Obesidade e do Sobrepeso. http://www.abeso.org.br/uploads/ downloads/2/5521af637d07c.pdf Acessado em Fevereiro/2016.  20. Departamento de Obesidade da SBEM, ABESO - Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica. Informações científicas. http://www.endocrino.org.br/ posicionamento-oficial-sibutramina-obesidade/ Acessado em 10/3/2016.