Definindo Terapia Comportamental para Controle de Peso Clínico

Definindo a terapia comportamental clínica para controle de peso

 

A obesidade é uma doença crônica influenciada "por fatores genéticos, fisiológicos, ambientais, psicológicos, sociais, econômicos e políticos, muitas vezes necessitando de tratamento a longo prazo.4,5 A perda de peso é um desafio para muitos pacientes, e a terapia comportamental é um componente importante do tratamento da obesidade. Normalmente, os profissionais de saúde citam limitações de tempo e falta de formação como barreiras para iniciar a terapia comportamental. No entanto, o objetivo da terapia comportamental é maximizar a capacidade do paciente para efetuar a mudança, melhorando e promovendo o auto-cuidado.1 As estratégias e as habilidades para a terapia comportamental fornecidas durante todo este recurso também são incorporadas em muitos dos pontos de discussão e perguntas previstas no Guia de Discussão

De acordo com Wadden et al, "Quando aplicada ao controle de peso, terapia comportamental refere-se a um conjunto de princípios e técnicas para ajudar os indivíduos obesos a modificarem hábitos alimentares, atividade e de pensamentos que contribuem para o seu excesso de peso.6

Características de terapia comportamental para controle de peso3

Características da terapia comportamental para o controle de peso3

Características da terapia comportamental no controle de peso3

 

Embora existam várias estratégias e habilidades associadas com terapia comportamental, esta é definida pelas seguintes características:

  • Especifica objetivos que podem ser medidos ao longo do tempo
  • O tratamento se concentra no processo de mudança de mudança comportamental
  • Encoraja pequenas e factiveis mudancas ao inves de mudancas drasticas
Estratégias e habilidades da terapia comportamental2

Estratégias
e habilidades da terapia comportamental2

Estratégias e habilidades da terapia comportamental2


Para alcançar os potenciais benefícios da terapia comportamental, é importante passar adiante esta habilidade para seus pacientes e construir sobre ela.
 

Automonitoramento

A simples prática de registrar os hábitos de alimentação e atividade física do paciente, assim como pensamentos ou sentimentos conectados a esses hábitos, possibilita que os pacientes direcionem o progresso em direção as metas e obtenha uma perspectiva sobre padrões de comportamento.


Exemplo

Acompanhamento da alimentação e atividade física.

Controle de estímulos

Após os pacientes aprenderem a identificar os estímulos
em seus ambientes comuns que levam a comportamentos incidentais, eles podem modificar o ambiente a fim
de limitar sua exposição a tais estímulos.


Exemplo

Listar sugestões de alimentos cotidianos e modificar o ambiente a fim de reduzir essas sugestões, como retirar alimentos ricos em calorias de áreas acessíveis.

 

Substituição comportamental

Identificar motivos para comer que não estão relacionadas com fome e substituir por comportamentos alternativos para alimentação.


Exemplo

Listar motivos para comer e substituí-los por atividades cotidianas como fazer faxina ou outras atividades físicas de baixa intensidade.

Solução de problemas

Essas são habilidades que ajudam os pacientes a identificar os problemas atuais ou prever os possíveis problemas, elaborar e implantar soluções, é avaliar a eficácia da solução.


Exemplo

A maioria dos exemplos listados é de exemplos de solução de problemas.

Reestruturação cognitiva

O modo como os pacientes se veem e seus comportamentos podem influenciar sua capacidade em iniciar e sustentar mudanças comportamentais. Reestruturar uma atitude negativa em uma positiva que encoraja os pacientes a se concentrarem no progresso, como um hábito ao invés de apenas em contratempos.


Exemplo

Ajudar os pacientes a superarem pensamentos negativos após reconquistar uma pequena quantidade de peso ao se concentrar nas melhoras de saúde e na qualidade de vida.

Estabelecimento de metas

O estabelecimento de metas para controle comportamental de peso deve se concentrar no progresso e na concretização ao longo do tempo. Mais informações sobre a conversa de metas podem ser encontradas na seção intitulada Estabelecendo Metas Individuais do Guia de Discussão.


Exemplo

Estabelecer uma meta para cozinhar a maioria das refeições em casa por 2 semanas com um incentivo de jantar fora no final desse período.

Benefícios da terapia comportamental

Benefícios da terapia comportamental

  • Gradual e sustentável
  • Aumento da capacidade de auto-controle
  • Demonstrativo de resultados

Benefícios da terapia comportamental

 

Sessões de terapia comportamental bem sucedidas entre profissionais de saúde e os pacientes podem gerar resultados benéficos, tais como:

  • Mudanças graduais e sustentáveis: a mudança de comportamento pode ser um processo cansativo e muitas vezes demorado. Terapia comportamental promove um processo gradual para construir a mudança sustentável3
  • Aumento da capacidade de auto-controle: terapia comportamental permite que os pacientes cheguem a suas próprias conclusões sobre as relações estímulo-resposta em suas vidas que estão sendo permissivas a certos comportamentos1
  • Resultado: a pesquisa mostrou que a modificação abrangente no estilo de vida, que inclui dieta, atividade física e terapia comportamental, induz a perda de peso de aproximadamente 10% do peso inicial do paciente em 16 a 26 semanas de tratamento7


Referências:

1. World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation. World Health Organ Tech Rep Ser. 2000;894:1-253. 2. American Medical Association. AMA adopts new policies on second day of voting at annual meeting. http://www.ama-assn.org/ama/pub/news/news/2013/2013-06-18-new-ama-policies-annual-meeting.page. Accessed March 11, 2015. 3. Mechanick JI, Garber AJ, Handelsman Y, Garvey WT. American Association of Clinical Endocrinologists' position statement on obesity and obesity medicine. Endocr Pract. 2012;18(5):642-648. 4. Allison DB, Downey M, Atkinson RL, et al. Obesity as a disease: a white paper on evidence and arguments commissioned by the Council of the Obesity Society. Obesity. 2008;16(6):1161-1177. 5. Jensen MD, Ryan DH, Apovian CM, et al; American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines; Obesity Society. 2013 AHA/ACC/TOS guideline for the management of overweight and obesity in adults: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines and The Obesity Society. J Am Coll Cardiol. 2014;63(25 pt B):2985-3023. 6. Ng M, Fleming T, Robinson M, et al. Global, regional, and national prevalence of overweight and obesity in children and adults during 1980-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013. Lancet. 2014;384(9945):766-781. 7. Guh DP, Zhang W, Bansback N, Amarsi Z, Birmingham CL, Anis AH. The incidence of co-morbidities related to obesity and overweight: a systematic review and meta-analysis. BMC Public Health. 2009;9:88. 8. Must A, Spadano J, Coakley EH, Field AE, Colditz G, Dietz WH. The disease burden associated with overweight and obesity. JAMA. 1999;282(16):1523-1529. 9. Li C, Ford ES, Zhao G, Croft JB, Balluz LS, Mokdad AH. Prevalence of self-reported clinically diagnosed sleep apnea according to obesity status in men and women: National Health and Nutrition Examination Survey, 2005-2006. Prev Med. 2010;51(1):18-23. 10. Bhaskaran K, Douglas I, Forbes H, dos-Santos-Silva I, Leon DA, Smeeth L. Body-mass index and risk of 22 specific cancers: a population-based cohort study of 5.24 million UK adults. Lancet. 2014;384(9945):755-765. 11. Prospective Studies Collaboration, Whitlock G, Lewington S, et al. Body-mass index and cause-specific mortality in 900 000 adults: collaborative analyses of 57 prospective studies. Lancet. 2009;373(9669):1083-1096. 12. Hopman WM, Berger C, Joseph L, et al. The association between body mass index and health-related quality of life: data from CaMos, a stratified population study. Quad Life Res. 2007;16(10):1595-1603. 13. Finkelstein EA, Trogdon JG, Cohen JW, Dietz W. Annual medical spending attributable to obesity: payer- and service-specific estimates. Health Aff (Millwood). 2009;28(5):w822-w831. 14. Obesity Education Initiative; National Heart, Lung, and Blood Institute; National Institutes of Health; US Department of Health and Human Services. Clinical Guidelines on the Identification, Evaluation and Treatment of Overweight and Obesity in Adults: The Evidence Report. Bethesda, MD: National Institutes of Health; 1998. NIH publication 98-4083. 15. IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional de Saúde 2013. http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv94074.pdf. Acessado em Fevereiro/2016. 16. Sydall HE, Martin HJ, Harwood RH, Cooper C, Sayer AA. The SF-36: a simple, effective measure of mobility-disability for epidemiological studies. J Nutr Health Aging. 2009;13(1):57-62. 17. Mann T, Tomiyama AJ, Westling E, Lew AM, Samuels B, Chatman J. Medicare's search for effective obesity treatments: diets are not the answer. Am Psychol. 2007;622(3):220-233. 18. MacLean PS, Wing RR, Davidson T, et al. NIH working group report: innovative research to improve maintenance of weight loss. Obesity (Silver Spring). 2015;23(1):7-15. 19. ABESO. Atualização das Diretrizes para o Tratamento Farmacológico da Obesidade e do Sobrepeso. http://www.abeso.org.br/uploads/ downloads/2/5521af637d07c.pdf Acessado em Fevereiro/2016.  20. Departamento de Obesidade da SBEM, ABESO - Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica. Informações científicas. http://www.endocrino.org.br/ posicionamento-oficial-sibutramina-obesidade/ Acessado em 10/3/2016.